segunda-feira, 14 de junho de 2010

Mérito

por Pedro Du Bois

Mérito: sobre o teor

desatento das cassandras

rompo o isolamento

e lamento as palavras

fornecidas. Fosco

verbo se desintegra

aos ouvidos; pouco

a pouco o destino

enverga o galardão

da fome: forma

irrestrita da história

descontada em versos

merecidos. Tosco olhar

acompanha a mão no traço

irresoluto dos temores.

Trêmulo corpo cede

ao abstrato teor

do que termina em fumaça.

Um comentário:

  1. Grato, Fernando, por mais essa publicação. Abraços e boa semana. Pedro.

    ResponderExcluir

Tchê, é um prazer receber seu comentário e/ou sua crítica, fique a vontade para soltar o verbo e muito obrigado por sua participação. Forte abraço.